Wednesday, July 05, 2006

963 páginas

Como estou sem criatividade para escrever alguma coisa original, vou tomar a tradicional solução bloggeira. Não, não vou postar fotos de animais de estimação, estou falando da outra solução bloggueira para preguiça intelectual: book reviews.

Admito que esse semestre foi bem fraco para leituras; só tive tempo para quatro livros:
  • "Bartleby, o Escriturário", do Melville, edição de bolso da L&PM. Não manjo de crítica litéraria e não sou presunçoso o suficiente para pensar que poderia análisar um clássico da literatura. Só digo que gostei muito, e recomendo. Ah, e ele é curto, assim como esse comentário.


  • "The Design of Everyday Things", do Donald Norman. Obrigatório para qualquer pessoa que esteja envolvida na criação de qualquer coisa, o livro fala da interação entre as pessoas e os objetos cotidianos (ou não tão cotidianos). Norman é um especialista em psicologia cognitiva que se interessou pelo estudo da usabilidade quando foi chamado a compor o conselho designado para apontar as falhas que levaram ao desastre de Three Mile Island. Ele descobriu que muito do que se costuma apontar como "falha humana" na verdade é causado por objetos que foram projetados sem levar em conta as pessoas que terão de operá-los. No caso da usina, encontrou problemas como séries de controles muito parecidos produzindo ações muito diferentes e alarmes que disparavam com tanta frequência que acabaram por ser ignorados no momento crítico. O livro discute esse exemplo e muitos outros, mas não é apenas um catálogo de erros de usabilidade. Ele também formula uma teoria de como as pessoas aprendem a usar as tais "everyday things" e apresenta uma série de conselhos para quem têm a responsabilidade de projetar seja uma usina nuclear, uma chaleira ou um software. Para instigar mais o apetite, são estes os conselhos: 1. Use both knowledge in the world and knowledge in the head; 2. Simplify the structure of tasks; 3. Make things visible: bridge the gulfs of execution and evaluation; 4. Get the mappings right; 5. Exploit the power of constraints, both natural and artificial; 6. Design for error; 7. When all else fails, standardize. Algum ponto negativo? Ficar folheando até o fim para ler as notas é um saco (e eu sou simplesmente incapaz de pular e deixar para depois...).

  • "Secrets & Lies", do Bruce Schneier. O autor é um criptógrafo notório, e um dos livros anteriores dele, o Applied Criptography, é a obra mais popular sobre o assunto. Aqui, ele trata de segurança digital de uma maneira ampla. O livro é muito bom, mas eu esperava algo diferente do que encontrei. Usando um termo encontrado repetidas vezes no texto, pode-se dizer que o livro não é destinado a security experts, nem a aspirantes à expert, mas sim à quem contrata os tais security experts. Isso não implica que a leitura seja inútil para quem tem perfil técnico, pois as idéias do Schneier sobre como abordar a segurança são sempre muito inteligentes e às vezes até um pouco surpreendentes. Uma destas é a a constatação de que a comunidade de segurança computacional põe ênfase exagerada em medidas preventivas, como se fosse possível se proteger de todo e qualquer ataque futuro, e negligencia as outras fases: detecção e resposta. Outra tese relacionada é resumida no mantra "segurança não é um produto, é um processo", que é uma daquelas coisas que parecem óbvias até que alguém nos chame a atenção para as ramificações. Enfim, não me arrependo de tê-lo lido e até recomendo, mas a falta de profundidade me incomoda. Especialmente quando percebo que o autor sabe tratar de assuntos complexos sem alienar o leitor leigo; prova disso é o primoroso capítulo 6, que explica em linhas gerais as principais técnicas criptográficas sem entrar em detalhes teóricos, mas conseguindo ilutrar bem a mecânica básica e a importância de cada ferramenta.
  • Little Schemer, da MIT Press. O comentário sobre esse fica para depois. Só adianto que é um ótimo livro mas não compre sem dar uma folheada antes...

1 comment:

Anonymous said...

I can appreciate the uphill battle 2017 rolex replica startups face getting their name out into the market, even when they make a great product. I actually prefer to increase my replica watches rather than my depth, so with the new Stranger on my wrist, I took off to climb a few quick day hike mountains. The lugs angle down and do a good job of hugging the wrist. Weight is lighter than one would expect for a watch of this size, but rolex replica uk still feels indestructible and solid. The dual crowns have super grippy machined ridges and screw into the case very snug. I am still trying to figure out what the seemingly faux screwed in replica watches is on the right side of the case between the crowns. It seems to balance the replica watches sale and add visual appeal, even if the practical side of me hates replica watches decoration.